Seguidores

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Retrocesso na luta pela Sociologia no ensino médio


A obrigatoriedade das disciplinas no currículo do ensino médio é resultado de intensos e longos embates. Até a década de 70, a sociologia e a filosofia integravam, como outras disciplinas quaisquer, o currículo escolar da educação brasileira. Com o advento da ditadura militar, ambos os componentes foram excluídos da grade curricular e, por conseguinte, substituídos por duas outras disciplinas: Educação Moral e Cívica e Organização Social e Política do Brasil (OSPB). Tais disciplinas assumiam um caráter panfletário pró-ditadura, eliminando estrategicamente todo o caráter crítico e reflexivo da filosofia e da sociologia.
Sindicatos e demais entidades representativas dos profissionais destas áreas se mobilizaram e conduziram uma luta que perpassou todo o período de redemocratização do país. O Sindicato dos Sociólogos do Estado de São Paulo (Sinsesp), o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e a Federação Nacional dos Sociólogos (FNS) foram algumas das entidades participantes da reivindicação.
Em 2008, por meio da Lei No. 11.684 de 02 de junho de autoria do Deputado Federal Ribamar Alves (PSB-MA), e sancionada pelo então vice-presidente em exercício José Alencar, as disciplinas são novamente incluídas no currículo formal do ensino médio. A lei que institui a obrigatoriedade de tais disciplinas altera o artigo 36 da Lei No. 9.394 de 20 de dezembro de 1996 que, por sua vez, estabelece as diretrizes e bases da educação nacional (LDB).
Entretanto, a deliberação No. 77/08 do Conselho Estadual de Educação (CEE) flexibiliza a obrigatoriedade das disciplinas no ensino médio. Segundo o parecer, as aulas poderão ser diluídas no currículo, não precisando se configurar como matérias específicas. De acordo com o dispositivo, “as escolas podem, em decorrência de sua proposta pedagógica, tratar Filosofia e Sociologia de forma integrada sem necessidade de destacar carga horária própria para uma e para outra”. Além disso, a deliberação também prevê que a definição da matriz deva ficar a critério da proposta pedagógica de cada escola ou rede de ensino.
O sociólogo e professor da USP Amaury Cesar, atenta para a necessidade de se encaminhar seja ao Ministério Público, Procuradoria da União ou Conselho Nacional de Educação (CNE) uma ação judicial questionando os atuais rumos adotados pela educação paulista. Em contrapartida, as entidades representativas estão articulando forças para revogar o parecer. Dentre as ações, destacam-se: a redação de uma nota a ser lida e distribuída nas reuniões da Apeoesp, promover uma mesa de debates composta por professores e acadêmicos cujo escopo é conscientizar a sociedade civil sobre a importância da filosofia e sociologia como disciplinas do ensino médio e solicitar as assessorias de imprensa dos candidatos ao governo do estado que exponham o assunto em seus programas eleitorais.
Luiz Gustavo é bacharel e licenciado em Ciências Sociais pela PUC-SP, especialista em Educação Ambiental pelo Senac-SP, graduando em Comunicação Social – Jornalismo pela UniFIAMFAAM e mestrando em Educação, Arte e História da Cultura pelo Mackenzie.

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Palestra - UECE - Ciências Políticas


O Grupo de Pesquisas Democracia e Globalização convida a todos a se fazerem presentes na última palestra do I ciclo de Palestras em Ciências Políticas da UECE. O tema será “O pensamento de Boaventura de Sousa Santos em foco: a re - invenção da emancipação em tempos contemporâneos, ministrada pela professora Alba Pinho (UFC)
Data: 21 de Setembro de 2010
Horário: 14h
Local: Auditório do centro de Humanidades da UECE (Av. Luciano Carneiro, 345, Fátima)




Mais informações: democraciaeglobalizacao@gmail.com
http://democraciaeglobalizacao.blogspot.com
Não precisa fazer inscrição!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Saiu a Nomeação do concurso SEDUC - Ceará


Foi publicada na segunda-feira (13/09) a nomeação de 3.088 candidatos aprovados no concurso que visou a contratação de professores para a rede estadual de ensino do Ceará. A divulgação ocorreu por meio do Diário Oficial do Estado (DOE).
Está confirmada também a data da posse coletiva: 20 de setembro. O início das atividades dos novos professores nas escolas está programado par o dia o 1º de outubro.
Ao todo, a seleção contou com a participação de 25.153 candidatos e foi composta por três fases.
Na primeira, houve prova escrita – que aprovou 12.672 candidatos. Na segunda, prova prática – qualificando apenas 4.390 inscritos. Já na terceira os candidatos foram submetidos a um programa de capacitação profissional e exames de títulos, que respectivamente, classificaram 3.913 e 3.842 pessoas.
http://blog.opovo.com.br/concursos/

domingo, 12 de setembro de 2010

Sociólogo Edgar Morin em Fortaleza-CE - Não percam!


Boa notícia para os amantes das Ciências Sociais! Fortaleza recebe, no dia 21 de setembro, o sociólogo e filósofo Edgar Morin, que será o presidente de honra da Conferência Internacional sobre os Sete Saberes para uma Educação do Presente. O evento, que acontece até o dia 24 do mesmo mês, será realizado no Hotel Praia Centro, na Praia de Iracema, em Fortaleza.
A conferência é uma realização da UNESCO em parceria com a Universidade Estadual do Ceará (Uece). O evento visa discutir sobre as facilidades e dificuldades apresentadas pela comunidade educacional no desenvolvimento de práticas pedagógicas. Se pretende, também, iniciar um diálogo entre escolas e universidades para intercâmbio de saberes.
A estrutura de conteúdos da Conferência está organizada ao redor dos “Setes Saberes para uma Educação do Futuro”, obra de autoria do próprio Edgar Morin.
Inscrições
As incrições para a Conferência podem ser feitas até o dia 20 de setembro.
http://blog.jangadeiroonline.com.br/tag/edgar-morin/
http://www.uece.br/setesaberes/

APAGÃO - Vão faltar professores no Ensino Médio!

O Estado do Ceará está empossando no ensino médio três mil professores aprovados em concurso público, para preencher as vagas ocupadas atualmente por professores temporários e as resultantes de aposentadorias e desistências da carreira. Esse nível de ensino concentra, no País, um dos maiores embaraços do sistema público, em razão da elevada presença de professores sem a qualificação exigida - a licenciatura plena - e do desestímulo resultante dos baixos níveis de salários.

A crise é séria, a ponto de o Conselho Nacional de Educação alertar para a possibilidade de um possível apagão, diante do déficit de 245 mil profissionais desse nível de ensino, especialmente das disciplinas Química, Física, Matemática e Biologia.

Há outras implicações no mercado específico de trabalho. Pelo último Censo Escolar, dos 461.542 professores do nível médio, com atuação em sala de aula, apenas 228.625 (49,5%) ministram uma só disciplina.

O Ministério da Educação tem procurado minimizar o problema, conseguindo, em parte, alguns avanços. Nos últimos sete anos, cresceu em 84% o número de universitários graduados em cursos de licenciatura nessas quatro disciplinas. Este número, entretanto, está bem distante de eliminar o déficit existente, estimado em 100 mil docentes sem formação específica atuando nas áreas de ciências.

Nos últimos anos, cresceu a preferência dos universitários pelos cursos de licenciatura plena nas quatro disciplinas básicas das áreas de ciências matemáticas, físicas, químicas e biológicas, em parte, por conta da bolsa de estudo de R$ 400,00 oferecida a cada aluno, durante o curso. Não há, contudo, estímulo para o magistério, diante de um piso salarial de R$ 1.000,00, quando os concludentes dispõem de bolsas para o mestrado, no valor de R$ 1.300,00, com melhores perspectivas de trabalho em relação ao ensino público.

A qualidade da aula depende da formação do professorado. Enquanto os cursos superiores graduaram para o mercado de trabalho, nas quatro licenciaturas, nos últimos anos, 39,8 mil professores, somente em Física há um contingente de 33 mil docentes improvisados. Poucos optaram pela carreira docente, diante do salário irrisório. O mesmo fenômeno ocorreu com os licenciados em Matemática, Biologia e Química. A carreira de pesquisador é muito mais atrativa.

No Ceará, a situação não é diferente. A rede estadual oferece 382 mil matrículas de nível médio, distribuídas por 642 escolas. Há carências no currículo formado por disciplinas como História, Geografia, Filosofia, Sociologia, Matemática, Física, Biologia, Química, Língua Inglesa, Língua Portuguesa, Língua Espanhola, Artes e Educação Física.

No seio do alunado, os conflitos entre o padrão de formação escolar e a mão-de-obra exigida pelo mercado de trabalho provocam elevado índice de evasão. A escola média, no País, deveria ser, essencialmente, profissionalizante, diversificada pelos inúmeros ramos de atividades laborativas, oferecidas pelos postos de trabalho. Esse contraste gera um quadro entre a demanda de emprego e a ausência de qualificação adequada para ocupá-lo. A crise exige ampla reforma estrutural.
Fonte:
http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=849155

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Projeto de Lei vai definir campo de trabalho dos sociólogos!


Agência Câmara

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 7613/10, do deputado Sabino Castelo Branco (PTB-AM), que amplia as atribuições do sociólogo. O deputado sustenta que o projeto é necessário para corrigir a Lei 6.888/80, que diz que a competência desse profissional abrange toda a realidade social – o que é muito indefinido.

Essa imprecisão, diz Castelo Branco, se em 1980 já não servia para delimitar um espaço próprio de atuação profissional, com o tempo mostrou-se prejudicial para os sociólogos, pela invasão de sua área de conhecimento por outras profissões que disputam espaço no mercado.

"As competências e atribuições relacionadas ao profissional graduado em ciências sociais (sociologia, antropologia e ciência política) necessitam de um novo texto legal", resume o deputado.

Pelo projeto, são as seguintes as atribuições do sociólogo:

- estabelecer diagnóstico ou prognóstico sobre fenômeno da realidade social, manifestação cultural do povo ou dinâmica política da sociedade;
- interpretar, julgar e solucionar problemas relacionados às relações sociais, identitárias ou de poder;

- dar consultoria ou assessoria, promover investigação ou crítica, emitir laudo ou parecer, elaborar plano ou programa, coordenar projeto ou ação, assinar relatório ou memorial, que requeiram amplo entendimento de métodos e técnicas de Sociologia;

- participar de estudo ou relatório de impacto socioambiental, sociocultural ou socioeconômico, para fins de licenciamento obrigatório ou obtenção de incentivos fiscais;
- proceder análise causal dos resultados em pesquisa de opinião pública envolvendo métodos e técnicas da Sociologia para efeitos de registro legal e divulgação pública;

- dar publicidade, por meio físico ou virtual, à publicação ou texto relacionados à sociologia;
- elaborar prova de conhecimento ou avaliar trabalho escrito, bem como presidir banca de exame ou comissão julgadora, em concursos e outros certames, referentes à sociologia;

- ministrar o ensino de disciplina geral ou especial de sociologia, em todos os níveis da educação formal;
- chefiar quadro de professores em curso de formação e supervisionar e orientar atividades de alunos no campo da pesquisa, em estágio curricular ou no trabalho formal teórico e aplicado, na área da sociologia;

- dirigir setores dos órgãos públicos de análise, planejamento ou desenvolvimento que requeiram o domínio de conceitos, paradigmas e correntes do pensamento social, referentes à sociologia.

Segundo Sabino Castelo Branco, essa lista de atribuiçõers foi longamente debatida pelas entidades representativas da categoria profissional e da comunidade acadêmica, e se iguala, no conteúdo, às garantias desfrutadas por outras categorias, "assegurando aos sociólogos o controle sobre assuntos que dizem respeito, estritamente, a sua área de conhecimento" .

Tramitação

O projeto tramita em caráter conclusivoRito de tramitação pelo qual o projeto não precisa ser votado pelo Plenário, apenas pelas comissões designadas para analisá-lo. O projeto perderá esse caráter em duas situações: - se houver parecer divergente entre as comissões (rejeição por uma, aprovação por outra); - se, depois de aprovado pelas comissões, houver recurso contra esse rito assinado por 51 deputados (10% do total). Nos dois casos, o projeto precisará ser votado pelo Plenário. e será analisado pelas comissões de Educação e Cultura; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Governador assina nomeação dos professores concursados

O governador Cid Gomes assinou a nomeação dos 3.088 professores concursados que vão atuar na rede pública estadual de ensino. A posse coletiva dos profissionais está marcada para o próximo dia 20/09/2010 e o início do exercício em cada escola será no dia 01/10/2010. O Concurso foi realizado pelo Governo do Estado, por meio das Secretarias da Educação(Seduc) e do Planejamento e Gestão(Seplag). A nomeação dos professores será publicada no Diário Oficial do Estado de 13/09/2010.

O Concurso foi realizado em quatro etapas: prova escrita; prova prática; programa de capacitação profissional e exames de títulos. Na primeira etapa, os candidatos responderam 60 questões objetivas de múltipla escolha. A segunda fase oportunizou aos inscritos uma mostra da atuação de cada um durante aula ministrada na disciplina em que o candidato estava concorrendo. Na terceira, houve um programa de capacitação profissional com carga horária de 180 h/a. A quarta e última fase abrangeu o exame de títulos. Para assumir o cargo de professor, o candidato deverá ter grau superior em nível de licenciatura plena.

Atualmente, a rede estadual é responsável pelo atendimento de 540 mil alunos em 642 escolas. Conforme acompanhamento da Seduc, a matrícula no Ensino Médio corresponde a 382 mil estudantes. Nesse nível de ensino, o currículo abrange as seguintes disciplinas: História; Geografia; Filosofia; Sociologia; Matemática; Física; Biologia; Química; Língua Inglesa; Língua Espanhola; Língua Portuguesa; Artes e Educação Física.
 

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Professores preparam mobilização em favor do piso nacional


O Sindicato APEOC realizará no próximo dia 15, a partir das 8 horas, na Assembleia Legislativa, uma “Manifestação em Defesa da Educação”. A luta dos professores é pelo piso salarial, plano de cargos e carreiras, nomeação e posse dos concursados do Estado e melhores condições de trabalho. Essa atividade faz parte de uma mobilização nacional puxada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) que, no dia 16, em Brasília, fará ato público.
No roteiro da CNTE, o Supremo Tribunal Federal, onde será entregue aos ministros um dossiê relacionando os gestores públicos em todo o país que não vêm cumprindo a Lei do Piso. O documento também será entregue ao presidente Lula, aos presidentes da Câmara e do Senado e ao ministro da Educação. 
PISO 
O Piso Nacional de Salário dos Professores da Educação Básica foi oficialmente implantado em primeiro de janeiro de 2009, por determinação prevista em lei aprovada pelo Congresso Nacional, em junho de 2008, depois de 17 meses de tramitação na Câmara dos Deputados e Senado Federal.
http://opovo.uol.com.br/app/cidades/2010/09/08/noticiacidades,2039819/professores-preparam-mobilizacao-em-favor-do-piso-nacional.shtml

Reunião na SEDUC divulga previsão de datas para Nomeação/Posse dos Professores concursados.


O Sindicato APEOC e COMISSÃO DE PROFESSORES CONCURSADOS tanto da Rede Estadual de Ensino, quanto da Rede Municipal de Fortaleza desenvolveram no dia de hoje, 08 de setembro de 2010, várias atividades em defesa do Concurso Público.
As primeiras atividades ocorreram logo pela manhã.
Primeiramente o Sindicato APEOC e a coordenação de professores concursados do município de Fortaleza, cumprindo agenda deliberada na última plenária do movimento, estiveram reunidos com a Assessora do Gabinete da Secretaria Municipal de Educação, Rose Conti.
O objetivo do movimento foi cobrar da SME a convocação dos professores que compõem o Cadastro de Reserva que, conforme prevê o edital do concurso (Edital nº 0050/2009), poderá ser acionado sempre que ficar comprovada a carência definitiva e, como sabemos, o número de carências definitivas é crescente no município de Fortaleza, principalmente em razão das aposentadorias. Pois bem, na Audiência, a partir de nossa cobrança, foi dito que o levantamento das carências definitivas já foi concluído e que o edital de convocação dos professores já se encontra na Procuradoria Geral do Município para análise de praxe. O Sindicato reforçou a cobrança de publicação do Edital de Convocação dos professores.
Em seguida, o Sindicato APEOC, através do Diretor Anizio Melo, participou de atividade dos professores concursados na Assembléia Legislativa, que tinha como objetivo a NOMEAÇÃO IMEDIATA DE TODOS OS PROFESSORES CONVOCADOS.
Depois dessa atividade, os professores concursados do Estado que cobram a nomeação estiveram no Sindicato APEOC, e em seguida se deslocaram até a Secretaria da Educação do Estado- SEDUC, onde mantiveram audiência com a professora Marta Emilia, Coordenadora de Gestão de Pessoas - COGEP desse Órgão.
O Sindicato-APEOC, através dos Diretores Anizio Melo e Reginaldo Pinheiro, juntamente com a Comissão de Professores, cobrou da SEDUC informações sobre o processo de nomeação e inicio do exercício nas Escolas Estaduais.
A Coordenadora informou que TODOS OS ATOS DE NOMEAÇÃO encontram-se no Gabinete do Governador desde o último dia 25 e que hoje à tarde (dia 08 de setembro) ou amanhã (dia 09 de setembro) os atos seriam assinados. Em seguida, os atos seguirão para a Casa Civil para a publicação no Diário Oficial do Estado.
A previsão de posse é para o dia 20 do corrente mês, e o início do exercício está previsto para o começo do mês de outubro.
Os professores e o Sindicato APEOC se manifestaram pela nomeação imediata dos profesores.
Para dar encaminhamento à luta pelo CONCURSO PÚBLICO, o Sindicato APEOC convoca todos os professores concursados da Prefeitura Municipal de Fortaleza e da Rede Estadual de ensino para Plenária no próxima sábado, dia 11 de setembro, às 14 horas, na Sede do Sindicato APEOC.
A palavra de ordem é: CONVOCAÇÃO E NOMEAÇÃO JÁ! 
Participaram da reunião SEDUC: Tiago Sampaio, Manoel Jarbas, Marcos Renan, Leal Pereira, Débora Klippel, Vinicius Araújo, Francisco Alberto, Marta Emilia, Anizio Melo e Reginaldo Pinheiro. 
Fonte:
http://www.orkut.com.br/CommMsgs?cmm=78844449&tid=5514538395178796860&na=3&nst=41&nid=78844449-5514538395178796860-5514579081589674273

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Professor ou Sofressor?

Um dos maiores problemas que enfrentamos é a falta de investimento necessária para uma educação de ótima qualidade e um reconhecimento mais do que necessário da importância do professor para toda a sociedade.
Outra questão que vivenciamos é que os professores dentro da nossa sociedade mercantilista sofreram um desprestígio que acarreta uma total quebra de nossa identidade e autoridade (diferente de autoritarismo) com o público em geral e com os próprios alunos dentro da sala de aula.
Essas são questões reais e sérias que afetam tanto nosso bolso, quanto nossa estima e equilíbrio. O que resulta desse acúmulo de contrariações é visto em várias escolas: professores esgotados, sem uma perspectiva, desanimados, as vezes se indispondo até mesmo com colegas de trabalho, sem ver uma real utilidade no seu ensino ou mesmo sem ver um interesse dos alunos.
Com certeza sabemos disso tudo não é verdade? E agora? Será que por vezes também não nos afogamos numa maré de quanto pior melhor? Se nosso salário fosse o justo (e saliento que devemos lutar por ele) será que não viveríamos também numa ilha de poucos felizardos diante da pobreza que atinge milhões aqui no Brasil?
O que quero dizer é que devemos nos dar conta que somos parte de um todo que também sofre com vários tipos de injustiças e que para reverter isso é necessário uma conscientização e ação conjunta. Precisamos urgentemente não só nos afogarmos nas queixas (justas por sinal), mas nadarmos ou construirmos algo juntos para uma melhora efetiva.
Acho que se ficarmos só ouvindo relatos de que nada presta, a tendência é desistirmos antes de tentarmos algo. Os protestos são legítimos, mas precisam vir acompanhados de sugestões ou de pelo menos revigoramento. É difícil lutar sem ouvir vez ou outra algo que nos motive.
Só um pensamento que repasso...somente isso!
Texto de Pascoal Júnior.

Professores do Ceará protestam pela demora da Nomeação/Posse no Concurso SEDUC



No último dia 04/09/10, houve uma manifestação na Praça do Ferreira, de aproximadamente 20 professores que recentemente passaram no concurso público promovido pela SEDUC e que até agora não foram nomeados e nem empossados nos seus devidos cargos.
O que mais revolta e impulsiona essas manifestações é simplesmente a total ausência de notícias do órgão oficial do governo, ou seja, uma simples nota oficial sobre como está o atual processo do concurso e qual previsão poderia ser dada. Mas, isso não acontece, resultando em muitas sub-informações e boatos que só elevam a irritação dos professores.
A presença na manifestação foi bastante desproporcional, pois 20 professores não representam minimamente os mais de 3000 que passaram no concurso, o que nos faz indagar e refletir sobre algumas questões.
O sociólogo Zygmunt Bauman comenta sobre nossa atual pós modernidade:
“O tipo de incerteza, de obscuros medos e premonições em relação ao futuro que assombram os homens e mulheres no ambiente fluido e em perpétua transformação em que as regras do jogo mudam no meio da partida sem qualquer aviso ou padrão legível, não une os sofredores: antes os divide e os separa. As dores que causam aos indivíduos não se somam, não se acumulam nem condensam numa espécie de causa comum que possa ser adotada de maneira mais eficaz unindo as forças e agindo em uníssono. A decadência da comunidade nesse sentido se perpetua; uma vez instalada, há cada vez menos estímulos para deter a desintegração dos laços humanos e para procurar meios de unir de novo o que foi rompido”.
Vivemos numa época em que todo tipo de lógica, ideal ou objetivo pode mudar num piscar de olhos. Vivemos, segundo  Bauman, numa modernidade líquida, onde valores e lutas perdem um sentido prático, pois se exige uma relação consumista em todos os aspectos da realidade social. Algo que seja útil, mas descartável e sem profundidade ou continuidade.
Uma manifestação também sucumbe a essa praticidade, pois as conquistas coletivas há muito foram sucateadas e o individualismo impera, tanto de forma consciente como inconsciente.
Além, desse pragmatismo que acaba por nos contaminar, existe também o perigo das próprias manifestações nascerem prematuras e sem uma real consistência ou  sem objetivos específicos e eficientes. Estratégias mal elaboradas ou apenas feitas com uma paixão estilo “ame-a ou deixe-a”  é começar a criar de forma discreta o vírus da desmotivação e do desapontamento.
Acredito que nessa manifestação dos nossos colegas professores, essas duas questões abordadas ocorreram.

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Charges e imagens

Fórum de Professores de Sociologia CEARÁ - venha participar desse projeto!

Na quinta feira dia 26/08, nos reunimos nas Ciências Sociais da UFC para a reunião do Fórum de Licenciaturas das Ciências Sociais. Esse Fórum tem como objetivo reunir professores, pesquisadores, alunos de Ciências Sociais para um debate constante sobre a educação e nossa participação efetiva em reais transformações na sociedade.

Foram discutidas e apresentadas várias questões, dentre as quais:

* o processo de lotação dos professores nas escolas estaduais e os problemas já existentes;
* a existência do Programa Institucional de Bolsa de Apoio à Docência (PIBID) nas universidades: UECE; UFC e UEVA;
* a necessidade de fortalecer o fórum com os professores já existentes e com os novos professores;
* a necessidade de realizar um diagnóstico sobre a situação da disciplina de Sociologia e de seus professores na rede pública estadual (e posteriormente, na rede privada);
* a possibilidade de cursos de extensão com direito a certificado para os professores de sociologia do Ensino Médio.

Algumas conclusões do encontro e do que precisamos fazer
:
1- Democratizar o acesso ao grupo Fórum de licenciaturas; isto é, tornar mais fácil a entrada no grupo para quem assim o deseja;
2- Institucionalizar o fórum;
3- Enviar o questionário on line que já temos pronto para as seguintes listas: Fórum de licenciaturas, Grupo de Sociologia, Lista de professores que tenho contato e ver a possibilidade de conseguirmos com os alunos do Humanas/UFC; além de conseguir que os professores que respondam, enviem para mais algum (de maneira a aumentar o nosso número de pesquisados);
4- Ver a possibilidade de articular ações entre os PIBIDs.
5- Criar um ciclo de debates e palestras sobre temáticas referentes ao ensino de Sociologia, envolvendo as três universidades e com direito a certificados.
6- Fazer um levantamento sobre a situação atual das Licenciaturas em Ciências Sociais.

Queremos também fazer um levantamento do melhor dia e horário para as reuniões. Portanto, escrevam sugerindo dias, ok?
Abraços, Danyelle Nilin.

Convidamos a todos os interessados a entrarem na lista do yahoo "Professores de Sociologia Ceará" onde teremos constantemente atualizações sobre esses encontros e seus resultados efetivos. Link para se cadastrarem lá:
http://br.groups.yahoo.com/group/sociologiaceara/

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Curso de Extensão (80h) - Humanas - Universidade Federal do Ceará - GRATUITO

Curso de Extensão (80H) - Núcleo HUMANAS/UFC
O Núcleo HUMANAS/UFC está com inscrições abertas (gratuitas) para o curso de extensão Epistemologias e Tecnologias para o Ensino das Ciências Humanas e Sociais (80h / semipresencial).

Objetivo - Favorecer uma reflexão com os professores acerca do papel das humanidades no currículo escolar a partir das seguintes temáticas: a filosofia, as ciências humanas e sociais: por uma didática para o ensino das Humanidades; os ensinos de: sociologia, filosofia, história e geografia.

Público-alvo: professores da rede pública (municipal ou estadual) graduados nas áreas de filosofia, geografia, sociologia ou história; Professores formados pelo Programa Magister-Ceará com habilitação nas áreas de Ciências Humanas e suas tecnologias.

Nº de vagas: serão oferecidas 90 vagas, preenchidas por ordem de chegada.

Período, horário e local de inscrição: 30/08 à 10/09, ou até serem preenchidas todas as vagas, das 09h às 12h e 14h às 18h, na Secretaria do Núcleo HUMANAS/UFC, que fica localizada no Anexo do Instituto UFC/VIRTUAL, Prédio térreo da Pró-Reitoria de Graduação da Universidade Federal do Ceará (Campus do Pici).

Documentação necessária para inscrição: Cópias de RG, CPF, comprovante de endereço, diploma de graduação, comprovante de vinculo com o sistema público de ensino.

Datas dos encontros presenciais, horários e local do curso: Os professores poderão se inscrever em uma das turmas conforme a sua disponibilidade de tempo e a existência de vagas:

Turmas/
Vagas Turma A (quarta-feira) 45 vagas e turma B (quinta-feira) 45 vagas

Datas de encontros presencias.

Turma A 15/09; 29/09; 13/10; 27/10; 03/11

Turma B 16/09; 30/09; 14/10; 28/10; 04/11

Horário do curso: 18h às 22h.
Local: O curso acontecerá em um bloco didático (sala de aula) do Campus do Pici (UFC).
Certificação: Ao final do curso os concludentes receberão um certificado emitido pela Pró-reitoria de Extensão da UFC.

INFORMAÇÕES: (85) 3366-9032

sábado, 28 de agosto de 2010

Sociologia no Ensino Médio: aula de cidadania para estudantes

Eles ainda não votam, mas estão descobrindo o sentido e a força que o voto tem. A partir de uma tarefa de aula, que para muitos representaria apenas nota, alunos do 1º ano do ensino médio do Colégio São João Batista estão se interessando pela política.

Orientados pelo professor de Sociologia Lucas Caregnato, os 22 estudantes enviaram, por e-mail, questionários para deputados federais e estaduais e senadores candidatos à reeleição.


Entre as perguntas, a importância do voto e o preconceito que a maioria da população tem sobre os políticos. O professor acredita que só conhecendo quem está no poder e busca um cargo público é possível evitar a eleição de corruptos.


– Temos corrupção na política sim, mas também no Judiciário e em outras esferas. A questão é não eleger pessoas que sejam corruptas – entende.


Para Carolina Ullian, 15 anos, as respostas mostram ações positivas dos políticos, porém, ela reclama do excesso de propaganda que cada candidato faz de si próprio. A garota acredita que esse contato com parlamentares ajudará quando tiver o título eleitoral em mãos.


– A gente ganha uma preparação para votar – defende.


O passo seguinte será fazer um júri simulado, em que a política será a ré. A turma será dividida em acusação e defesa e caberá aos jurados decidirem se a política é culpada ou inocente. O tribunal deve ocorrer até metade de setembro.


– É para ver o lado positivo e negativo da política – diz Giovana Andrighetti (foto), 15.


Os alunos fizeram trabalhos sobre política durante o ensino fundamental, mas admitem estar mais envolvidos desta vez. Até passaram a assistir ao horário eleitoral gratuito, em função das aulas.


– Os candidatos têm bastante propostas, mas não dizem como vão fazer – reclama uma consciente Carolina.
Fonte:
http://www.clicrbs.com.br/pioneiro/rs/impressa/11,3020764,157,15388,impressa.html

domingo, 22 de agosto de 2010

O caos na educação: sociologia e filosofia contribuem para isso!


Tenho dito e repetido que o corporativismo é um dos grandes males do Brasil. Não é por mero preconceito que tenho insistido que, especialmente na educação, o corporativismo tem resultados desastrosos, não só pelo incitamento de ações reprováveis dos professores que agem sem observância dos males que causam à rede pública de escolas como, também , aos jovens estudantes e à Nação. Não se pode admitir que greves que se estendam por longos meses ao longo do ano escolar sejam instrumento reivindicatório dos docentes quando tal prática se repete todo o ano. Nem se pode admitir que interesses políticos e corporativistas propiciem reformulação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação, sem que se leve em conta a factibilidade das reformulações nem se faça ponderação sobre a consonância destas transformações com a realidade e que têm resultados caóticos na qualidade da educação da juventude brasileira.

Veja-se, por exemplo, a introdução de filosofia e sociologia na grade curricular obrigatória do ensino médio. Ora, só se pode introduzir novas matérias na grade curricular reduzindo o número de horas-aula de outras matérias, inclusive das duas disciplinas básicas para o progresso do processo de aprendizado que são português e matemática. Além do mais, a introdução de sociologia e filosofia na grade curricular implica em maiores custos na medida em que se torna necessária contratação de professores para estas duas disciplinas.Ademais, em pequenas cidades não são encontráveis pessoas habilitadas à docência destas novas disciplinas. Mas foi exatamente a contratação de professores o motivo propiciador da introdução delas na grade curricular. Foi a pressão corporativista que fez tramitar exitosamente no Congresso Nacional o projeto de Lei introduzindo sociologia e filosofia na grade curricular obrigatória do segundo grau. Dá-se emprego a portadores de diplomas de sociologia e filosofia em detrimento de um ensino voltado para as necessidades básicas da vida do jovem que precisa estar habilitado para um emprego, para a continuidade dos estudos em nível superior ou escola de formação técnica onde filosofia e sociologia em nada influenciam.

O resultado do destrambelhamento do ensino fundamental e médio no Brasil é possível constatar pelo inchaço da grade curricular que, além de filosofia e sociologia, agora também conta com artes, música e até conteúdos como cultura afro-brasileira e indígena e direitos de crianças e adolescentes. Como se não bastasse, incluíram também, educação para o trânsito, direitos do idoso e meio ambiente. Só não há tempo para o que verdadeiramente interessa na educação fundamental e média que são as disciplinas básicas: português, matemática, história, geografia e ciências.
Texto: Didymo Borges

Considerações do BLOG Professores de Sociologia CEARÁ:
Senhor Didymo Borges seu texto carece de alguns esclarecimentos e complementos, que ao meu ver, foram ignorados resultando numa culpabilidade focada apenas nos profissionais da educação.
Ao que parece, fica mais fácil apontar para os professores que usam de seu direito constitucional, tanto para exigir uma educação de qualidade como de serem remunerados de forma digna e justa, do que realmente buscar de onde vêm tanto descaso por nossa educação. Serão os professores os principais responsáveis por nossa situação de analfabetismo funcional?
O corporativismo senhor Didymo Borges atua de forma abusiva na atual lógica econômica desumana que privilegia a praticidade sem questionamentos e nos conglomerados privados que forçam políticas públicas a não cumprirem suas responsabilidades perante a sociedade.
A implantação das disciplinas de Sociologia e Filosofia preenchem uma lacuna deixada pela própria LBD que priorizava o exercício da cidadania e da ética, algo que raramente percebemos na atual modernidade.
Ao que parece, sua intenção é apenas priorizar um estudo que apenas vise repor "peças" para o nosso mercado de trabalho, onde nossos jovens não tenham direito a reflexão ou mesmo que não se apropriem dos dispositivos legais para sua participação efetiva na esfera social.
Seria mais produtivo se o senhor questionasse a falta de investimento na educação básica e superior, os baixos salários que fazem com que a profissão de professor seja cada vez mais desvalorizada e desrespeitada, questionasse o currículo educacional que se mostra, hoje em dia, cada vez mais distante de uma nova forma de se ver o mundo.
Como o senhor pode perceber, existem coisas mais profundas e vitais a serem questionadas!

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Emendas incham currículo escolar com novos conteúdos


Além de português, matemática, história, geografia e ciências, nos últimos três anos os alunos do ensino básico de todo o País se viram obrigados a estudar filosofia, sociologia, artes, música e até conteúdos como cultura afro-brasileira e indígena e direitos de crianças e adolescentes. Também incham o currículo escolar temas como educação para o trânsito, direitos do idoso e meio ambiente.
De 2007 até o mês passado, emendas incluíram seis novos conteúdos na Lei de Diretrizes e Bases (LDB) da educação. Há ainda leis específicas, que datam a partir de 1997, que complementam a LDB. Outras dezenas de projetos com novas inclusões tramitam no Congresso. Esses acréscimos representam um desafio a todos os gestores, mas em especial aos da rede pública, onde a maioria dos alunos não consegue aprender satisfatoriamente português e matemática.
Na rede estadual de São Paulo, por exemplo, a Secretaria da Educação teve de cortar aulas de história no ensino médio em 2008 para cumprir a lei e aumentar as de filosofia e incluir sociologia na grade. Na época, os estudantes do período diurno tiveram uma redução de cerca de 80 aulas de história, na soma dos três anos letivos do ensino médio.
Paula Louzano, pesquisadora da Fundação Lemann, defende a discussão do currículo do ensino básico de forma integral como forma de combater os remendos na LDB, muitas vezes com tendências corporativistas. "Não sou contra as aulas de música, mas quero discutir o todo, não que cada grupo vá individualmente e faça pressão." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Lotação dos Professores de Sociologia na SEDUC


Mais uma fase do concurso SEDUC foi ultrapassada por nós professores de Sociologia do Estado do Ceará. Nos dias 16 e 17 de agosto nos encontramos para a Lotação e definição das escolas que iremos lecionar pelo menos nos próximos 3 anos de estágio probatório.


Apesar da tensão de terem sido ofertadas poucas vagas para a capital cearense, o clima não poderia ter sido melhor, com reencontros de antigos colegas e de amizades consolidadas pessoalmente, pois muitos só se conheciam via orkut.


Sobre a Lotação, ficou difícil para os colegas que ficaram acima da posição 50º no concurso, pois como era de se esperar, com uma carga horária de apenas 1 hora/aula para cada série do Ensino Médio, resultou numa acumulação de no mínimo 4  escolas para o fechamento das 100 ou 200 horas exigidas.


Aproveitando a oportunidade dessa reunião de professores de Sociologia, foi pegue o e-mail e telefone de quase 90% de todos presentes, para ser criada um local na NET que viabilize a troca de idéias e de mobilização de nós educadores comprometidos com uma educação de qualidade.


Ainda falta sair o edital para a perícia médica e por enquanto sem data prevista!

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Concurso: Seduc divulga lista de convocados de Sociologia

Saiu finalmente o edital convocando todos os 117 professores de Sociologia para a Lotação nos dias 16 e 17 de agosto/2010. Acabou a angústia por falta de informações e de todos que tinham passado, mas não constava seus nomes no edital para a Lotação. A perícia médica vai ser confirmada depois com outro edital a ser publicado!
http://www.cespe.unb.br/concursos/seducce2009/arquivos/EDITAL_013_2010_CONVOCAO_SOCIOLOGIA.PDF

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Sociologia para ensinar Educação Financeira?


A partir do mês de agosto, mais de 4 mil alunos do Ensino Médio do Rio de Janeiro receberão noções de consumo consciente. A iniciativa faz parte do Programa Educação Financeira nas Escolas, uma ação conjunta dos órgãos reguladores do Sistema Financeiro Nacional, que conta com recursos e orientação técnica do Banco Mundial (BIRD) e a participação de diversas entidades privadas e públicas.

A ideia da ação é introduzir o pensamento responsável em relação ao consumo e às finanças na sala de aula através de diferentes disciplinas como português, sociologia e matemática. Em todo o país, serão atendidas, no mínimo, 900 escolas da rede pública dos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Tocantins e do Distrito Federal. A partir destes ensinamentos, os alunos poderão controlar suas vidas financeiras e entender a repercussão social e ambiental de qualquer movimentação de capital.
Fonte: 
http://www.diariodopara.com.br/N-104657-EDUCACAO+FINANCEIRA+SERA+ENSINADA+NA+REDE+ESTADUAL.html

Considerações do BLOG Professores de Sociologia CEARÁ:
O que é mais contraditório nisso tudo é não ter um curso para os professores de Sociologia de como se sustentarem com o salário indigno oferecido a todos que trabalham na educação. (TECLA IRONIA LIGADA)
Outra coisa, é ver a disciplina de Sociologia no Ensino Médio ser usada como sendo de "mil e uma utilidades" e sendo empurrado todo tipo de programa que diz ter um "fim social" ou que seja visando uma "cidadania". Resta perguntar que cidadania estamos e devemos ensinar!

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Livros didáticos de Sociologia para o Ensino Médio só em 2012


O governo federal executa três programas voltados ao livro didático: o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), o Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio (PNLEM) e o Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos (PNLA). Seu objetivo é prover, gratuitamente, as escolas das redes federal, estadual e municipal e as entidades parceiras do programa Brasil Alfabetizado com obras didáticas de qualidade.

Já para o ensino médio, a distribuição envolve livros reutilizáveis de língua portuguesa, matemática, história, geografia, biologia, química e física. A novidade a partir de 2012 será o envio de livros consumíveis de língua estrangeira (inglês ou espanhol), filosofia e sociologia.
Fonte:
http://www.fnde.gov.br/index.php/programas-livro-didatico

SEBRAE Nacional oferece vagas para Cientistas Sociais


O Sebrae Nacional abriu processo seletivo para 11 vagas de nível médio (assistente) e nível superior em várias áreas (analista técnico). As vagas são para Brasília. Os salários vão de R$ 2.238,53 a R$ 9.533,42.
Entre os cargos de nível superior há vagas para profissionais de biblioteconomia, com remuneração de R$ 3.988,77, para ciências humanas (R$ 6.593,85), para ciências econômicas, ciências sociais, engenharia, direito ou administração (R$ 9.533,42), para tecnologia da informação e comunicação (R$ 8.849,30), para direito com registro na OAB (R$ 6.593,85), para qualquer área de conhecimento (R$ 6.593,85), para áreas afins com a atividade de agronegócio (R$ 6.593,85) e para ciências contábeis, ciências econômicas, administração de empresas, direito e tecnologia da informação (R$ 6.593,85).
Confira o edital nesse link:
http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2010/08/sebrae-abre-concurso-para-11-vagas.html

sábado, 7 de agosto de 2010

Concurso SEDUC e Professores de Sociologia : datas de perícia médica e lotação ainda sem previsão

Os professores de Sociologia que passaram no Concurso Público SEDUC-CE, 2009 por incrível que pareça, ainda continuam preocupados e ansiosos como se estivessem nas fases eliminatórias de tal referido concurso, pois desde que um colega professor, conseguiu garantir sua vaga sub judice, o antigo edital com as datas da perícia médica foram retiradas e até esse momento (07/08) não foram mais publicadas.
O edital antigo marcava as datas de apresentação para a perícia médica nos dias 11,12 e 13 de agosto para apenas 73 candidatos, ou seja, ainda assim faltavam confirmar os 49 candidatos para que preenchesse o número total de convocados para a disciplina de Sociologia que são de 122 professores.
As ligações de vários colegas para a SEDUC e CESPE solicitando uma explicação e o novo edital se tornaram frustrantes ao se depararem com informações vagas e de pedidos de paciência, como se até agora não tivessem tido. Informam apenas, que na semana que se inicia no dia 09/08 deverá ter novidades, mas sempre fica a dúvida.

Muitos colegas moram no interior e em outros Estados o que dificulta sua locomoção e hospedagem para Fortaleza. Os professores de Sociologia pedem agilidade, tanto nas informações, como na divulgação das datas da perícia médica, pois passam por uma tensão desnecessária e que somente gera desgastes desnecessários.

O telefone da SEDUC para mais informações é: 31013937 
O edital antigo que constava as datas e os nomes de 73 candidatos pode ser baixado nesse link:
http://www.4shared.com/document/LJ0yv8ca/RELA____O_CANDIDATOS_APROVADOS.html

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Congresso Mundial de Sociologia aborda o meio ambiente


Os tempos que correm não estão para graças. O Congresso Mundial de Sociologia que decorreu este mês na Suécia deu um destaque indesmentível às questões ambientais, sobretudo às alterações climáticas, à sustentabilidade e aos processos de governança em tempos de crises uniformemente aceleradas. O mote foi logo abordado de início por Craig Calhoun, que passou o desfile das várias crises que se encavalitam e multiplicam e confluem na crise ambiental.
O pior, todavia, é a persistência cega em negá-la. Uma cegueira que, como pudemos ouvir com espanto, não hesita em chegar ao crime. O célebre 'climategate' deslindou-se e passou, mas deixou marcas. Sabemos hoje que os cientistas da Universidade de East Anglia (UEA) estavam certos. O que não sabíamos era que os interesses fundamentalistas do gate chegaram ao ponto de ameaçar individualmente os cientistas e suas famílias. Soubemo-lo por narrativas impressionantes de Tim O'Riordan, da UEA, bem como de Riley Dunlap, para outros casos nos Estados Unidos.
É assustador pensar na vulnerabilidade política do trabalho científico, mesmo nos contextos que julgaríamos mais lúcidos e mais livres. Sim, as condições sociais da produção do saber científico são-lhe decisivas a muitos títulos, como lembrou Steven Yearley, da Universidade de Edimburgo. E, acrescentaríamos, as condições éticas do trabalho jornalístico também. Por exemplo, factos enormes conseguem invisibilidades mágicas. Saskia Sassen, da Columbia University, alinhou uma coleção de factos monstruosos que têm deslizado discretamente para a realidade sem que a comunicação social tivesse dado pela sua dimensão. Lembro alguns, todos ligados à aquisição de extensões colossais de territórios por grandes interesses económicos, visando assegurar para si blocos de recursos essenciais: espaço, água e solo arável. No dia do apocalipse, salvam-se os condóminos destes resorts de sobrevivência; dos seus 'portões' para fora a humanidade sucumbe.
A Coca-Cola adquiriu na América Latina, em Chiapas, duas grandes reservas montanhosas de água potável, um recurso cada vez mais escasso. Os Emirados Árabes compraram já vastas terras aráveis ao Sudão para assegurar o cultivo de cereais. Companhias indianas fizeram-no noutros países africanos. Empresas sauditas e de outros países árabes negociaram no Paquistão centenas de milhares de hectares para a produção de alimentos e, no pacote, os serviços de 100 mil soldados do Exército local para protegerem o corredor da sua exportação. Os chineses e várias companhias europeias têm adquirido territórios nos países africanos para produção de biodiesel.
Há muitos interesses económicos a negar as alterações climáticas, mas, como vemos, há ainda mais a levá-las muito a sério e a tratar de reservar um 'salva-vidas'. Pelo sim e pelo não, e mesmo que isso signifique espoliar e deslocar as populações à força.
A ciência climática pode ter as suas heroicas incertezas, mas as dimensões sociais e humanas dos problemas ambientais, essas, rodeiam-na e atravessam-na por todos os lados de forma cada vez mais apertada: são factos sociais que estão no agravamento do atual efeito de estufa; são factos sociais as suas dramáticas consequências; são factos sociais que desencadeiam as dinâmicas de toda a crise. Em nenhuma situação se observa melhor a condição social dos problemas ambientais do que nas catástrofes. Nelas encontramos um recurso para avaliar e preparar a resposta à nossa futura e já presente, aliás, condição ambiental. Numa comunicação inspiradora, Raymond Murphy, da Universidade de Otava, lembrou o que podemos aprender sobre liderança pública em situações de catástrofe (usando casos como o do furacão 'Katrina' ou o do ainda vivo derrame da BP no Golfo do México).
E por falar em catástrofe, recordemos o sábio alerta de Tim O'Riordan para o erro sistemático na avaliação da nossa economia insustentável. É preciso começar a fazer as contas ao contrário. Fala-se sempre com dificuldade nas célebres "externalidades", mas elas ganham uma clareza adstringente quando se calcula o custo em tratamentos hospitalares e em trabalho não prestado pelas vítimas de uma afetação ambiental gerada por uma atividade que se autodispensou de avaliar as suas consequências. E não é só a saúde pública; são os próprios custos sociais. Em Inglaterra já há cálculos sobre o preço a que se eleva a produção de uma juventude rejeitada e lançada à celebração cultural das próprias abjeções onde é obrigada a viver. A sustentabilidade é isto também: não gerar custos sociais incomportáveis a pensar que, um dia mais tarde, as entidades públicas - com polícias, prisões e hospitais - virão fazer o 'trabalho sanitário social'.
Da China e da Índia as comunicações foram inúmeras: problemas sociais, ambientais e de saúde pública em crescendo. As consequências já as vivemos todos. A ocidentalização dos padrões de vida de centenas de milhões de cidadãos destes países pressiona os recursos naturais a um ponto de não retorno, como demonstrou Marina Fischer-Kowalski, da Universidade de Klagenfurt.
Ouvindo as reflexões de tantos cientistas e pensadores nestes oito dias intensivos de Congresso, é inevitável pensar no nosso país, na sua queda para a asneira e no trabalho a fazer já. Enquanto os tempos que correm ainda nos dão tempo. 

Sociologia precisa de equações, dizem prêmios Nobel em SP


Nada de estranho, dizem. Eles usam a teoria dos jogos --o estudo matemático sobre como pessoas escolhem estratégias--, e acham que ela será muito útil às ciências sociais neste século. 
"O tratamento matemático precisa de pressupostos claros, e isso leva a conclusões por consequência lógica", diz Robert Aumann, da Universidade Hebraica (Israel). 

"Com palavras, você se convence de qualquer coisa. A matemática promove uma disciplina de pensamento."
Nash, aos 82, esteve hoje na USP para o encontro que reuniu cientistas que trabalham com teoria dos jogos. Recuperado da esquizofrenia, diz que foi hospitalizado contra a vontade e ataca a eficácia do procedimento.
A área que Nash ajudou a fundar permite comparar, por exemplo, tipos de votação. Se as pessoas votam em apenas um deputado, é mais fácil ser eleito com um discurso específico, focado em um grupo de eleitores (defendendo direitos gays ou maiores salários para policiais).
Se os eleitores fazem uma lista com três nomes, é preciso o triplo de votos para vencer. Discursos de interesse geral (como crescimento econômico ou menos impostos) tendem a ter mais sucesso.
Nesse caso, é fácil prever o resultado da modelagem matemática. Em sistemas sofisticados, os resultados de mudanças nas regras do jogo são mais imprevisíveis. A matemática, aí, faz previsões que a reflexão não atinge. 

A ideia não é desprezar as ciências sociais, diz Roger Myerson, da Universidade de Chicago. "Li autores de política. Ele mostram quais questões institucionais importantes estudar." Ele pesquisou a República de Weimar, da Alemanha pré-Segunda Guerra. O sistema político era generoso com quem adotasse estratégias autoritárias. Nash diz que gostou do filme sobre sua vida, mas que ele não é fidedigno. A cena em que está no bar e as garotas do local o fazem ter um insight é invenção do roteirista. "E ele ganhou um Oscar."

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/777376-sociologia-precisa-de-equacoes-dizem-premios-nobel-em-sp.shtml

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Número de professores com licenciatura é cada vez menor

Dez a cada 30 professores de química, física e sociologia do ensino médio das escolas estaduais de Joinville não passaram por um curso de licenciatura nestas áreas, assim como 10% dos professores das demais disciplinas. Estes números revelam um problema nacional que atinge também a cidade: a escassez de profissionais especializados para dar aulas em matérias como geografia, inglês e artes.

O problema é mais evidente na rede pública, onde os salários e as condições de trabalho fazem da sala de aula um campo de trabalho pouco atrativo. Entre cursar a licenciatura e o bacharelado, muitas vezes eles optam pelo segundo porque veem mais oportunidades. Mas a formação pedagógica trazida pela licenciatura é essencial , destaca a pesquisadora Maria Aparecida Lapa de Aguiar, da Universidade da Região de Joinville.
Matéria completa:
http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default.jsp?uf=2&section=Geral&newsID=a2984999.htm

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Fortaleza sedia Fórum Transnacional da Emancipação Humana


"Os desafios da Humanidade e do Planeta" serão discutidos no Fórum Transnacional da Emancipação Humana, que acontece de 1 a 5 de agosto em Fortaleza, na Quadra do Céu da Universidade Federal do Ceará (UFC), localizada no bairro Benfica.

A promoção é do Instituto Crítica Radical da UFC e da Universidade Estadual do Ceará (UECE). A Prefeitura de Fortaleza é uma das apoiadoras do evento, que conta com conferencistas de diversos países e vai debater o colapso do capitalismo e a construção de um movimento social emancipatório que transcenda o sistema produtor de mercadorias.


Pesquisadores, professores, estudantes, e integrantes dos diversos movimentos sociais, artistas, intelectuais e indivíduos em geral são o público alvo do evento, que nasceu após debate no Fórum Social Mundial, realizado em 2009.

Fonte:
http://www.sme.fortaleza.ce.gov.br/educacao/index.php?option=com_content&view=article&id=388:fortaleza-sedia-forum-transnacional-da-emancipacao-humana&catid=1:ultimas-noticias&Itemid=30

Filosofia e sociologia devem ser incluídas nas escolas até 2011


As escolas públicas e particulares do ensino médio têm prazo de três anos, a contar de 2009, para oferecer plenamente as disciplinas de filosofia e sociologia a todos os estudantes. A regra está na Resolução nº 1/2009, da Câmara da Educação Básica do Conselho Nacional de Educação.
As escolas públicas e particulares do ensino médio têm prazo de três anos, a contar de 2009, para oferecer plenamente as disciplinas de filosofia e sociologia a todos os estudantes. A regra está na Resolução nº 1/2009, da Câmara da Educação Básica do Conselho Nacional de Educação.
O presidente da Câmara de Educação Básica do CNE, César Callegari, explica que a Lei nº 11.684/2008, que tornou obrigatório o ensino das duas disciplinas no ensino médio, não fixou prazo, mas que é atribuição do conselho interpretar as mudanças na Lei (9.394/1996) de Diretrizes e Bases da Educação (LDB).
A resolução do CNE diz que a inclusão de filosofia e sociologia deve começar em 2009 em, pelo menos, um dos anos do ensino médio, de preferência na primeira série. A inclusão das disciplinas deve se completar em 2011 nas escolas com três anos de ensino médio e em 2012 para os cursos de quatro anos.
César Callegari diz que o número de professores habilitados (com licenciatura) em filosofia e sociologia é pequeno e que equivale às disciplinas de física, química e matemática, mas que isso não o atemoriza. Para Callegari, “é preciso ter a ousadia de garantir ao aluno o direito de aprender e empurrar as autoridades para que invistam na formação de professores e na produção de materiais didáticos”.
As dificuldades que terão os sistemas estaduais e as escolas para oferecer filosofia e sociologia, diz o presidente da Câmara de Educação Básica do CNE, não serão diferentes do que acontece com as demais disciplinas. Ele dá dois exemplos dessa situação: 60% dos professores de português que lecionam no ensino médio têm habilitação na área; em química e física, apenas 10% que estão nas mesmas salas de aula têm a licenciatura específica. O esforço, portanto, diz, deve ser de todos, para que os estudantes brasileiros tenham garantidos direitos que têm seus colegas da Europa e dos Estados Unidos.
Enem – Na avaliação do professor Callegari, a obrigatoriedade do ensino de filosofia e sociologia chega no momento importante da transição do vestibular tradicional praticado nas instituições de ensino superior, pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que exige interpretação e não decoreba. A filosofia, explica, oferece ferramentas que ajudam os jovens do ensino médio não só a pensar, mas desenvolver o pensamento crítico e a não achar que tudo está pronto. “O pensamento não é um estalo, é um avanço histórico.” Já a sociologia contribui para o conhecimento da sociedade, dos processos históricos e para o exercício pleno da cidadania.
A Resolução CNE nº 1/2009 foi publicada no Diário Oficial da União, seção 1, página 92, em 18 de maio.
Fonte: Portal MEC/ Ionice Lorenzoni (27/05/09)
Fonte do texto:
http://www.anj.org.br/jornaleeducacao/noticias/filosofia-e-sociologia-devem-ser-incluidas-nas-escolas-ate-2011/

Novas vagas para estágio na CTC / Fortaleza - Ceará



Endereço: Av. Des Gonzaga, 1630, Cidade dos Funcionários.
Telefone: (85) 3433-9644
33 vagas para vários cursos, incluindo as Ciências Sociais
Inscrição de: 29/07 a 13/08/10
Fonte: O POVO, 29/07/10 - Populares

terça-feira, 27 de julho de 2010

Capitalismo: uma história de amor


Eis o que o documentário se propõe a discutir: quais foram as razões para o colapso do sistema financeiro em 2008? Como seus filmes anteriores, Capitalismo: Uma História de Amor tem mais respostas do que perguntas. Aliás, respostas muito pertinente.

Uma delas, o arrocho da política fiscal, aplicado a toque de caixa a partir da administração Reagan (1981-89). Falta de regulação do Estado, um terreno fértil para que as operações do sistema financeiro se tornassem ainda mais complexas e carta branca para as grandes corporações, especialmente os bancos, aumentarem a fortuna.

O filme também faz um feliz paralelo com o reforço da classe média nos anos 40 e 50 e como as pequenas conquistas foram destruídas pouco a pouco. Moore também não esquece de dar uma cutucada no engodo vendido pela propaganda de empresas de crédito e refinanciamento de imóveis.
Mas se engana quem acha 
Capitalismo: Uma História de Amor um mero apanhado histórico, um filme didático ou material de apoio para sala de aula. Além do tom punk “faça você mesmo”, regado a música, ativismo e ironia, há duas características marcantes na produção.

A primeira é a cara de pau do cineasta em colocar na prática algo que tinha ficado no discurso. Se Obama foi à televisão para dizer “queremos o nosso dinheiro de volta”, o que Moore fez? Bateu na porta dos bancos para levá-lo, ora pois! Essa ousadia é um ótimo ingrediente para um filme tão crítico à leniência com Wall Street. O ridículo funciona da maneira inversa e expõe o absurdo.
Fonte:
http://cinema.cineclick.uol.com.br/criticas/ficha/filme/capitalismo-uma-historia-de-amor/id/2430